terça-feira, 31 de julho de 2007

Primeira Lição do Mestre Gombrich


"Não existe realmente algo a que se possa chamar Arte. Existem apenas artistas. Outrora esses homens pegavam num punhado de terra colorida e com ela modelavam toscamente as formas de um bisonte na parede de uma gruta; hoje, eles compram as tintas e pintam cartazes para estações subterrâneas de metro; e muitas outras coisas os artistas fizeram ao longo dos tempos. Não há mal nenhum em designar como arte todas essas actividades, desde que se tenha em mente que tal palavra pode significar coisas muito diversas, em várias épocas e lugares, e que Arte com maiúscula não existe. Na verdade, a Arte com maiúscula tornou-se algo como um papão, um feitiço. Podemos esmagar um artista dizendo-lhe que o que ele faz pode ser excelente no seu género, só que não é "Arte". E podemos desconcertar qualquer pessoa que esteja contemplando com deleite uma tela, declarando que aquilo que nela tanto aprecia não é Arte, mas algo diferente.
De facto, não penso que existam quaisquer razões erradas para se gostar de uma estátua ou de uma tela. Alguém pode gostar de uma paisagem porque ela lhe recorda a terra natal, ou de certo retrato porque lhe lembra um amigo. Nada há de errado nisso. Todos nós, quando vemos um quadro, somos fatalmente levados a recordar mil e uma coisas que influenciam o nosso agrado ou desagrado. Na medida em que tais lembranças nos ajudam a fruir do que vemos, não temos que nos preocupar. Só quando alguma recordação irrelevante nos torna preconceituosos, quando instintivamente voltamos costas a um quadro magnífico de uma cena alpina porque não gostamos de alpinismo, é que devemos sondar o nosso íntimo para desvendar as razões dessa aversão, que frustra o prazer que, de outro modo, poderíamos ter tido. Também existem razões erradas para não se gostar de uma obra de arte."

E. H. Gombrich, A História da Arte, Público (http://loja.publico.clix.pt/Publico/DetalheProduto.html?id=684), página 15, Introdução-Sobre arte e artistas




8 comentários:

Frioleiras disse...

CARTA ABERTA DE APOIO A DALILA RODRIGUES

(http://www.petitiononline.com/mod_perl/signed.cgi?Dalila&1)

karvoeiro disse...

é legítimo nao gostar...

cartolas disse...

...é por estas e por outras que gosto de vir aqui parar os meus olhos!

Silvares disse...

Obrigado pelos comentários.
Este blog tem uma função específica que é fornecer elementos de trabalho aos meus alunos de História da Cultura e das Artes do 12º ano. Por isso tem estado parado... estamos em férias.
A partir de meados de Setembro voltará a funcionar com maior regularidade.
Todos os comentários são bem-vindos e até alguma discussão e troca de pontos de vista.
Até (muito) breve.

merdinhas disse...

Podias citar "Uma Pequena História do Mundo"
pelo Mestre contador de histórias.

tolilo disse...

Tento continuar PINK !

Silvares disse...

Pois podia, Merdinhas, mas não quero exagerar nas demonstrações da minha admiração pelo Mestre Gombrich. Utilizarei algumas passagens, decerto. O único problema da Pequena História é que alguns dos episódios relacionados com certas épocas na História da Europa se centram muito na Alemanha/Áustria, pátria do mestre, o que nem sempre se adequa ao espírito da coisa. Mas, seja como for, os textos dessa obra são de uma limpidez tão cristalina que até ofusca!

D. Maria e o Coelhinho disse...

EU GOSTO !
VERDADE!

A PROPÓSITO DE VERDADES:

VERDADE,
CRIME
McCannS
CADEIA
CADEIAS
E
EU
PUS O COELHINHO
VÍTIMA DAS
CADEIAS