segunda-feira, 16 de abril de 2007

«O que é Dada?»

No segundo número, que surgiu em Dezembro de 1919, a revista berlinense "Der Dada" colocava aos seus leitores a questão «O que é Dada?» e ao mesmo tempo sugeria uma série de respostas possíveis e impossíveis, desde "uma arte" a "um seguro contra incêndios". E o questionário acabava com outra pergunta: «Ou será que não é nada, por outras palavras, tudo?».

Este texto, retirado de Dadaísmo da autoria de Dietmar Elger, publicado pela Taschen, coloca-nos perante a dúvida essencial relacionada com este movimento vanguardista do início do século XX: Há um limite para a arte? Pode a criação artística ser encarada como um pássaro azarado que tenha nascido dentro de uma gaiola e imagine serem as grades limite e possibilidade extrema da sua liberdade?

Dietmar Elger prossegue:

O dadaísmo não era exclusivamente um movimento artístico, literário, musical, político ou filosófico. Na realidade era todos eles e ao mesmo tempo o oposto: anti-artístico, provocativamente literário, divertidamente musical, radicalmente político mas anti-parlamentar e, por vezes, simplesmente infantil.

O dadaísmo foi um movimento de ruptura e desalinho. Contra uma Europa a rebentar pelas costuras numa guerra declarada entre Estados-nação hostis, industrializados e armados até aos dentes, envolvidos na guerra mais sangrenta de que, até aí, havia memória.
Refugiados em Zurique, na imparcial Suiça, entrincheirados no mítico Cabaret Voltaire, os pioneiros do dadaísmo quiseram inventar uma forma de expressão artística que se distanciasse da carnificina e da ambição desmedida da sociedade industrial e capitalista que conduzira a velha Europa à beira do precipício.
Era necessário inventar um outro modo de ser humano na conjuntura civilizacional do dealbar do século XX e foi esse o trabalho do movimento Dada. Com pleno sucesso, como veremos.


3 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Silvares, meus conhecimentos do DADA são anteriores ao advento do milagre do Santo Google, e vem de um livrinho de HANS RICHTER DADA ART AND ANTI-ART com 179 Plates 8 in colour.Editado pela Thames and Hudson, London, impresso na Alemanha em 1964, e reeditados em 1966 e 1970. Foi meu livro de cabeceira por uns anos.Você me reavivou lindas memórias!

triliti star disse...

dada: a primeira palavra do meu filho.

Juan Diego Caballero disse...

Se bem que esquecí quase todo o meu portugués nestos anos, ainda sei o bastante para dar-te os meus cumprimentos por tu bloque e para convidar-te visitares o meu.
Até já.
Juan Diego. ENSEÑ-ARTE
http://aprendersociales.blogspot.com/