sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

O artista romântico

Retrato de Eugéne Delacroix, genial pintor romântico


Tem de se retroceder até ao início do século XIX para se assistir ao nascimento e à difusão do Romantismo, lembrando-nos sempre que este termo, como muitos outros da história da arte, é apenas uma definição global que reúne artistas e situações diferentes, mas unidos por uma nova atmosfera cultural, uma nova sensibilidade, um novo panorama da História.


No século XIX, o artista já não tem diante de si um cliente preciso, trabalha para si mesmo, faz obras por sua própria iniciativa, que poderão ou não ser compradas. Começa a época das exposições e da crítica de arte «jornalística»; o público porcura leituras e obras que solicitem a imaginação e a fantasia, discute acerca dos estilos e da moda. É então que os temas tradicionais da pintura - deuses e ninfas, alegorias de conceitos abstractos, cenas bíblicas, episódios da história antiga - são substituídos pelo mundo íntimo do artista, por aquilo que o emociona no presente e no passado histórico, no mito e na natureza que o rodeia, no real e no imaginário, no sonho, no devaneio fantástico.






Repara que a imagem do artista romântico que nos é proposta pelo texto encaixa bem no estereótipo do artista que actualmente impera no senso comum. O artista é alguém que se exprime através do seu trabalho, revelando visões interiores inspiradas e arrebatadas do mundo que o rodeia, estando mais ou menos indiferente ao que os outros possam pensar relativamente aos objectos que produz.


Este tema será explorado nas aulas.

2 comentários:

Francine.VS. disse...

sempre incrivel passar aqui...
Obrigada por partilhar tantos momentos ao meu lado! Meu ano foi mais agradável porque você também fez parte dele. Feliz Natal a vc e a todos que lhe são queridos. Que 2009 seja repleto de realizações, saúde e alegrias a todos nós!
Conte comigo nos próximos 365 dias!
Beijos e abraços
F.vs.F

jugioli disse...

Gênio
sempre um
Gênio de artista.

Preciso rever mais sobre os românticos.

JU